terça-feira, 27 de outubro de 2009

Por que, o que?

O que isso faz? Por que o céu é azul? Pra que serve esse botão? Por que tenho que acordar cedo? O que esse menino sujo ta fazendo deitado no chão da rua? Por que a mesa se chama mesa? Não podia ter outro nome? Falando nisso, por que me chamo Fulano? Por que o que eu sinto por essa menina é diferente? Por que eu tenho que ir pra creche? O que será que eles tão fazendo? Mãe, que que aquele moço e aquela moça tão fazendo ali?

Será que é assim? Por que as estrelas não aparecem no meu céu de manhã? Como encaixa essa pecinha? Por que ainda tenho que levantar cedo? Cade a mãe desse menino sujo aí, na rua? Por que tenho que aprender isso? Por que o nome dele é igual ao meu? Por que essa menina não repara em mim? Será que gosto dela? Por que tenho que ir pra escola? Será que eles fazem isso? Mãe, eles tão se beijando?

Será que encaixei certo? Por que as estrelas existem? Pra que serve esse manual? Por que não posso dormir mais 5 minutinhos? Cade a mãe desse muleque abandonado? Por que existem física e química? Por que o nome daquele cara é tão feio? Será que ela ta afim de mim? Porque tenho que passar pra faculdade? Será que ela ja deu pra ele?

Filha, como eu faço um desse pra mim? Será que só existem as estrelas? Pra que tanta coisa nesse aparelho? Por que não posso dormir mais que 5 horas? Cade o pai dessas crianças? Por que tenho que organizar isso? Por que meu chefe é tão chato? Será que minha mulher ficou chateada? Por que preciso ir trabalhar? Será que minha filha é virgem?

É o quê?! Fala mais alto! Por que não consigo mais ver as estrelas? Pra que tenho que usar isso? Por que não consigo levantar? Cade meu pai? Por que tem que ser desse jeito? Por que não posso mais fazer nada sozinho? Será que minha velha está bem? Por que não posso ir logo? Como será que está meu neto?

Não é em torno das respostas que giram o nosso mundo, mas sim, das perguntas. Voce cresce e as perguntas ao seu redor continuam mudando, ganhando novo sentido, novos horizontes, talvez nova dúvida sobre a mesma coisa; e quando pensa que todas elas ja foram solucionadas, surgem outras. Quando não mais houverem perguntas... cabô-se.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Tudo numa boa

Para o alto e avante, violência e coisas estranhas que acontecem na minha cidade! Já virou quase rotina o velho cidadão, trabalhador, honesto, comum no geral, acordar com uma chuva de balas não tão perdidas assim na janela de seu lar. Lar onde residem, por sinal, ele, sua esposa e seus 2 à 8 filhos.
Hoje em dia é natural ler em jornais, não mais em primeira página, que 10 pessoas foram mortas em acidente de carro, onibus, avião, quiçá carrinho de churros.
O governador acha que tudo está sob controle, enquanto o cidadão teme em abrir o basculante de seu próprio banheiro. Pra que se preocupar cidadão, o São está lá em cima, toma conta de tudo, é só ir na Igreja, trocar uma ideia e na concepção geral dos paradigmas, tudo fica bem. E só mesmo tendo fé pra tudo se resolver. Fique calmo, Harrison e Henry tem o mesmo Ford no final. Confuso não é? É essa a intenção, tudo parecer confuso, bizarro aos corações de quem sente sem mesmo ver. O paraplégico ja está de pernas pro ar e a massa não se da conta de que o mundo continua girando sem pesar.
Nada era como antes, as coisas só tendem a piorar, as profecias se realizam, os boatos aumentam, os visionários aparecem aos montes e o povo que não sabe absolutamente de nada que acontece no próprio quintal continua achando tudo muito normal.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Curioso, eu? Magina!

A curiosidade matou o gato; e provavelmente ja deve ter matado muitos outros também. Outros estudiosos que buscaram, há muito tempo, as perguntas que hoje (algumas) foram solucionadas. Pois é, quem pensa que nossa vida é feita de respostas se enganou. São as perguntas que fazem nosso mundo girar e, para existir as perguntas, nossa curiosidade é imprescindível. Ela é a chave para todos os mistérios ou para nada significante, mas querer saber por que a Terra gira ou por que aquela garota não me olha, partem da mesma imaginação.
A nossa curiosidade é como aquela palavra que voce sempre usa, mas não faz ideia de como explicar o que significa: voce sabe muito bem o que é o hoje, mas afinal o que ele significa? Afinal, que diabos de curiosidade é essa, que por tantos anos nos movimenta e nos faz pensar? É nossa vontade de querer descobrir tudo, de tentar achar respostas pra todas as perguntas que existem e que ainda nem foram inventadas. É criar paradigmas existenciais que nos levam a temas como "daonde eu vim", "para onde vou". Tudo parte da nossa audácia de saber e o tal hoje só existe porque fomos capazes de ser curiosos. Ser curioso é um dom sabia? Seja sempre assim, isso nos remete ao conhecimento, ao desenvolvimento mental. Se não temos curiosidade para sequer descobrir qual time está em primeiro na tabela, não somos nada. Precisamos das perguntas e da vontade de saber pra continuarmos existindo. Embora possamos considerar inegável o fato de nossas religiões e culturas nos influenciarem no nosso processo de formação, somente essa eterna busca chamada curiosidade pode nos levar a grandes alturas e talvez fazer-nos entender o quão longe podemos entender a grandeza do Ser.